TEMPUS FUGIT




                   

"UNA FURTIVA LACRIMA"

 

            Estou  muito  muito  triste.                      

 

http://youtube.com/watch?v=ONUCPKdGcrk&mode=related&search=   Ninguém cantou essa ária como ele.



Escrito por Kli às 17h53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


1975. Os quatro alunos de Psicologia da UNICAP faziam um trabalho sobre João Cabral de Mello Neto para a cadeira de Português. Para dar um toque a mais no trabalho sobre a obra, resolveram tentar conseguir uma entrevista com um irmão do poeta, que dirigia uma financeira no centro da cidade. Com a cara e a coragem que só os jovens têm, partiram para o escritório do possível entrevistado, numa manhã de sábado, sem sequer saber se ele estaria lá. A secretária ficou surpresa com a visita inesperada e mandou que os jovens ‘aguardassem’, prenúncio do longo “chá de cadeira” que viria. Mais de uma hora se passou e o executivo continuava “ocupado” ou “em reunião”.

A sala de espera foi aberta, nesse momento, e entrou um senhor idoso, de cabelos brancos, que perguntou pelo executivo e  recebeu da recepcionista o mesmo comando de “aguardar”, espécie de mantra repetido infinitamente por todas as atendentes e recepcionistas deste vasto mundo.

     O recém-chegado tirou o chapéu panamá branco e sentou no sofá, próximo ao outro, que era ocupado pelos quatro jovens universitários. Era de estatura mediana, branco e corado. Vestia terno azul marinho simples, com camisa branca e gravatinha borboleta. Tinha expressão afável e calma. Olhou os jovens com simpatia e puxou assunto:

 

- “Estão aguardando Fulano?”

 

Um dos jovens respondeu que sim e contou a razão de estarem ali, porque, a julgar pela familiaridade com que o senhor dissera o nome do executivo, quem sabe não seria um velho amigo dele, capaz de abreviar a espera que já era longa.

 

-“Ah, vocês querem saber alguma coisa sobre Joãozinho? Podem falar comigo, sou o pai dele!”

 

Os jovens não esperavam por tamanha sorte. Apresentaram-se, então, dizendo seus nomes. O senhor Luis apertou a mão de todos, com seu sorriso simpático. Durante os próximos vinte ou trinta minutos falou sobre o menino “Joãozinho”, calado e  tímido, que passava horas do dia sentado num dos mourões da porteira do engenho em que nascera, vendo o vai-e-vem de trabalhadores e carros de boi. Contou suas travessuras de menino criado ao ar livre e seu precoce amor aos livros e às palavras escritas. Aos oito ou nove anos, foi morar no Recife, passando sempre fins-de-semana e férias no engenho. Aos domingos, quando o administrador do engenho ia à feira, o menino João lhe dava dinheiro para comprar os livrinhos de cordel, populares no Nordeste. À tarde, ele sentava com os trabalhadores do engenho ao redor e lia vários desses livrinhos para eles.

O senhor Luís só foi interrompido pela secretária avisando que seu filho executivo iria recebê-lo em seguida.

Quanto aos jovens, pedia desculpas, mas, infelizmente, ele não teria tempo de atendê-los. Quem sabe num outro dia.

 

Mas isso não tinha mais importância para eles, supridos pela fala mansa e risonha de Luis Antônio Cabral de Mello, pai do grande poeta pernambucano João Cabral de Mello Neto.

 



Escrito por Kli às 17h21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Nordeste, Mulher, de 46 a 55 anos, Portuguese, Livros, Música, cinema



Meu humor



Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 ELZA - Blog-do-Beagle
 KITH
 BÁRBARA
 Julião Severo
 SILVANIA
 MAGUI
 LELA
 KARLA - Devaneios de Lilith
 Tetê-todos os blogs e flogs
 CRYS - Jardim de Letras
 DRICA (blog novo)
 DORA
 Traduzir-se - LUALIL
 Anucha (blog novo)
 Caíla (Blog Novo) Reflexões Depois dos Trinta
 Mar da Poesia - JEANETE RUARO
 Querido leitor (Rosana Hermann)
 Marcelo Tas - Blog do Tas
 RUBO MEDINA
 Moriana
 Caíla- (Blog antigo) Reflexões depois dos 30
 Blog da Giselda
 CRIS
 ANUCHA
 Versos Soltos
 Comunidade do Blog
 Projeto Releituras (Muito bom!)
 Escrevinhações
 Drica - Blog antigo -Pudores e despudores
 Marici
 O livro de Próspero
 Sonhos e Ternura - Poesia
 Verso e Verbo
 Lúcia - Algo Diferente